Ginecologista especialista em Fertilidade

Se você está em busca de uma ginecologista especialista em fertilidade, com vasta experiência na área através de cursos realizados no Brasil e no exterior, então precisa conhecer a Dra. Patricia Varella

Formada em medicina pela Universidade de São Paulo (USP) e com especialização em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida, ela ainda atua em: controles ultra-sonográficos de ovulação, monitoração clínica de medicações para inseminação artificial e FIV, folículo aspirações de óvulos para fertilização in vitro e realização de transferências embrionárias.

O objetivo, após cada consulta com essa ginecologista especialista em fertilidade, é que a mulher tenha a tranquilidade, sinta-se cuidada em sua saúde ginecológica, obstétrica e reprodutiva, tendo uma aliada nas constantes melhorias.

Sabemos que a inserção cada vez maior da mulher no mercado de trabalho tem contribuído para postergar a gravidez de muitos casais. Isso acaba contribuindo para o aumento de casos de infertilidade, que só pode ser definida assim após 12 meses de tentativas sem sucesso de engravidar. 

Nos casos em que a mulher tiver mais de 35 anos, vale a pena iniciar a investigação diagnóstica após seis meses de tentativas e, para mulheres com 40 anos ou mais, iniciar imediatamente.

E para lidar com com esse problema que atinge entre 10% a 15% dos casais, nada melhor do que procurar uma ginecologista especialista em fertilidade, que é a área de atuação da Dra. Patrícia Varella. 

Em primeiro lugar, se a mulher procura engravidar, é indicado realizar alguns exames médicos gerais para fazer uma primeira avaliação e tentar detectar possíveis barreiras à fertilidade.

A ginecologista especialista em fertilidade pode, dependendo do caso, aplicar tratamentos básicos contra infertilidade ou então partir para outros tratamentos mais específicos, como as técnicas de reprodução assistida -inseminação intrauterina e fertilização in vitro (FIV).

É importante destacar que a escolha do melhor tratamento dependerá da causa e da duração da infertilidade, bem como da idade da mulher. Mas, o que a maioria das técnicas de tratamento têm em comum é o objetivo de dar uma ajuda à natureza, para que o casal tenha uma maior chance de fertilizar, formar um embrião e uma gestação saudável.

Saiba mais sobre reprodução humana assistida

Reprodução Humana Assistida, área em que atua a Dra. Patrícia Varella, ginecologista especialista em fertilidade, é o nome dado a diversos tratamentos que podem ajudar as pacientes a engravidar sem ser através de relações sexuais. 

Dentre as principais opções de tratamentos disponíveis estão: 

  • Inseminação intra-uterina (IIU)
  • Fertilização in vitro (FIV)
  • FIV com injeção intracitoplasmática de espermatozóide (ICSI)
  • Uso de doador de sêmen (inseminação de doador) ou óvulos (doação de óvulos).

A Dra. Patrícia Varella faz questão de tratar cada paciente de forma única e humanizada, indicando aquilo que é melhor para o casal. 

Um casal sem nenhum fator limitante para engravidar, tendo relações sexuais regulares (aproximadamente 3 vezes por semana) tem cerca de 25% de chance de conceber a cada mês. Após o período de 1 ano, 85% dos casais conseguem obter uma gestação. 

Entretanto, muitos casais não conseguem alcançar uma gestação e a escolha do melhor tratamento dependerá da causa e da duração da infertilidade, bem como da idade da mulher. 

Quando é necessário partir para a reprodução assistida?

A possibilidade de optar pela reprodução assistida pode surgir em casais com mais de 30 anos e que não conseguem engravidar depois de um ano de tentativas. 

Sabemos que, a partir dos 35 anos, a fertilidade feminina tende a diminuir, enquanto a propensão a uma gravidez de risco aumenta, bem como a probabilidade da concepção de crianças com síndromes genéticas.

Outras possíveis causas da infertilidade, que atinge aproximadamente 15% dos casais, além da decisão tardia por engravidar, são:

  • Doenças sexualmente transmissíveis: prevenir e tratar rapidamente;
  • Peso: evitar baixo peso ou obesidade, pois ambos os extremos podem desequilibrar a produção dos hormônios femininos e masculinos;
  • Tabagismo: parar de fumar, pois o cigarro reduz a fertilidade;
  • Fatores cotidianos: estresse e outros indicadores de uma saúde comprometida.

Após a realização de alguns exames, recomenda-se a reprodução assistida se o número de espermatozoides do homem está nulo ou muito baixo ou quando, nas mulheres, há problemas persistentes na ovulação ou trompas obstruídas.

Alguns exames indicados pela ginecologista especialista em fertilidade, quando há a suspeita da infertilidade conjugal são:

  • Dosagem de hormônios no homem e na mulher;
  • Nas mulheres, análise da ovulação, do útero e das trompas;
  • Nos homens, é importante realizar o espermograma.

Com tudo isso exposto, é importante dizer que antes mesmo de indicar uma inseminação ou fertilização, a ginecologista especialista em fertilidade recomenda medidas prévias, como uso de medicamentos e suplementos e mudanças no estilo de vida. Somente depois, se nada disso deu certo, começa-se a pensar na reprodução humana assistida.

Portanto, se você tem alguma dúvida e deseja se consultar com uma ginecologista especialista em fertilidade, entre em contato com a Dra. Patrícia Varella e agende já uma visita!