Infertilidade feminina: 8 sinais que você precisa de ajuda

Dra. Patrícia Varella Especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida

Precisamos falar sobre infertilidade! 

Essa condição atinge 15% da população mundial e, em 35% dos casos, está associada especificamente à infertilidade feminina, segundo pesquisas internacionais. 

O insucesso na tentativa de engravidar pode causar tristeza, angústia e vergonha nas mulheres, podendo até mesmo desencadear quadros de depressão e ansiedade.

O desejo de ter um filho ainda é comum entre a maior parte das mulheres e a dificuldade para gestação pode afetar a autoestima e a relação com o(a) parceiro(a).

Mas, nem sempre é fácil assumir essa dificuldade!

Muitas mulheres negam que são afetadas por essa condição, o que as impede de receber ajuda e resultados positivos.

Pensando nisso, vamos te mostrar 08 sinais de que você precisa de ajuda para engravidar.

Fique atenta!

8 sinais de infertilidade

  1. Menstruação irregular

Apresentar menstruação frequentemente irregular é indicativo de problemas de fertilidade.

Essa condição pode ser fruto de alterações hormonais, emocionais ou nutricionais.

Mas, também pode indicar cistos ovarianos e outras doenças ginecológicas que causam infertilidade.

  1. Cólicas menstruais fortes

Apesar das cólicas menstruais serem sintomas naturais do ciclo menstrual feminino, quando aparecem de forma exagerada e disfuncional podem indicar problemas.

Em alguns casos estão associadas à endometriose, que afeta a fertilidade.

  1. Tentativas de engravidar sem sucesso

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), após 12 meses tentando engravidar sem uso de métodos contraceptivos, caso não haja sucesso, pode ser caso de infertilidade.

Já para mulheres acima dos 35 anos de idade, após 06 meses de tentativas sem resultados, já é hora de buscar uma avaliação especializada

  1. Doenças crônicas

Mulheres com diagnóstico de doenças como hipertensão, obesidade, diabetes e colesterol alto estão no grupo de risco para fertilidade baixa.

Essas doenças crônicas afetam o metabolismo corporal, tendo como uma de suas consequências alteração na fertilidade. 

  1. Tratamento com quimioterapia ou radioterapia

Tratamentos médicos com compostos invasivos ou efeitos colaterais significativos podem afetar a fertilidade.

A quimioterapia e a radioterapia, ao buscarem eliminar as células doentes, podem atingir células saudáveis (gametas), eliminando a reserva de óvulos da mulher. 

  1. Idade acima de 35 anos

A partir dessa idade ocorre a queda de produção hormonal e redução da quantidade de óvulos, o que dificulta a fertilização.

  1. Distúrbios hormonais

A irregularidade hormonal é uma grande responsável pela infertilidade, podendo ser causada pela Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), por alterações no hormônio prolactina ou por distúrbios na tireóide. 

Sintomas como ganho de pelos (na face, seios e costas), acne, secreção no mamilo e queda de cabelo são alguns indicativos de alterações hormonais importantes.

  1. Distúrbios na ovulação

Problemas para desenvolver e liberar os óvulos são grandes vilões da fertilidade! 

A condição conhecida como anovulação (ausência de ovulação) impede a fecundação.

Seus principais sintomas são: ciclos menstruais curtos, ausência de menstruação e períodos de cólica intensa.

Procure o tratamento adequado!

Se você possui algum desses sinais, é urgente buscar um diagnóstico clínico para infertilidade e buscar a melhor alternativa de tratamento.

Na maior parte dos casos, a dificuldade para engravidar é reflexo de um conjunto de fatores do homem e da mulher.

Portanto, se você desconfia de infertilidade, busque orientação de uma ginecologista especializada em métodos eficazes de tratamento para infertilidade.

Com a ajuda certa seu sonho de engravidar vai se concretizar!

Agende já sua consulta com a Dra. Patrícia Varella.

Preencha o formulário e agende sua consulta

loading...

INFORMAÇÕES DO AUTOR:

Dra. Patrícia Varella Especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida

Médica formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), também fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia na mesma instituição.
CRM-SP nº 93928