Quando procurar ginecologista especialista em reprodução humana assistida?

Dra. Patrícia Varella Especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida

Segundo a Organização Mundial da Saúde, problemas de infertilidade atingem até 80 milhões de pessoas no planeta. 

Se você está entre esse grupo de pessoas e deseja ter filhos, pode ser o momento de procurar uma ginecologista especialista em reprodução humana assistida.

Mas, como reconhecer os sinais de infertilidade e o momento ideal de procurar ajuda profissional?

Venha entender!

O que é a reprodução humana assistida?

Primeiro, entenda o que é o processo de reprodução assistida

Ela é definida como um conjunto de procedimentos e técnicas médicas com a finalidade de viabilizar a reprodução humana através de uma mediação biotecnológica. 

Ela envolve todo o processo de reprodução, desde a manipulação do óvulo, espermatozóide e embriões, a fim de produzir uma gestação. 

Os principais beneficiados por ela são pessoas em idade avançada, com infertilidade, mães solo e casais homoafetivos. 

A principal causa de busca para a reprodução humana assistida é a infertilidade, fenômeno que pode estar relacionado a diversos fatores, como doenças reprodutivas, gestação tardia ou alterações hormonais.  

Veja a seguir como saber se chegou a hora de procurar auxílio ginecológico.

Quando procurar ginecologista especialista em reprodução humana assistida?

Quando procurar uma ginecologista para reprodução humana? 

Caso você seja uma mulher ou homem sem parceiro sexual ou faça parte de um casal homoafetivo, é necessário procurar ajuda profissional para o processo de reprodução.

Já caso você esteja tentando engravidar com o seu parceiro, os seguintes fatores indicam que é importante buscar auxílio:

  • Após tentativa mal sucedida de engravidar durante 12 meses sem utilização de contraceptivo; 
  • Se você é mulher com mais de 35 anos e não obteve sucesso nas tentativas após 6 meses; 
  • Se você ou seu companheiro possuem histórico de alterações genéticas que não desejam transmitir ao bebê. 

Os principais motivos para o insucesso na gestação de casais jovens são: 

Endometriose profunda, baixa quantidade de ovários, distúrbios na ovulação (síndrome de ovários policísticos, etc), alteração no sêmen masculino (baixa concentração ou baixa mobilidade), entre outros. 

Como funciona a primeira consulta para reprodução humana?

Bem, cada caso é um caso! 

Portanto, sua ginecologista fará uma consulta com objetivo de entender seu histórico reprodutivo, solicitará exames clínicos e avaliará o sistema reprodutor do casal. 

Após delinear um diagnóstico de qual problema está causando a infertilidade, poderá pensar qual o melhor método para o seu caso. 

O tratamento indicado depende da causa da infertilidade, duração e idade da mulher. 

Quais os métodos de tratamento mais comuns?

As técnicas utilizadas podem ser de baixa ou alta complexidade, dependendo de cada caso. 

Os procedimentos de alta complexidade envolvem fertilização artificial em laboratório, com objetivo de fertilizar o útero. 

Já os procedimentos de baixa complexidade costumam envolver inseminação intrauterina, visando fecundar o aparelho reprodutor da mulher. 

Muitas pessoas perguntam qual o índice de sucesso da reprodução assistida. 

Essa taxa varia conforme a técnica utilizada e as características do casal (qualidade do sêmen, qualidade ovariana e idade materna).

Mas, de modo geral, a inseminação artificial possui uma taxa de 20% de sucesso e a fertilização in vitro pode chegar até 45%. 

Agende já sua consulta

Para a Dra. Patrícia Varella, cada processo de reprodução é único! 

O desejo de gerar uma vida é natural e legítimo!

Portanto, agende já uma sua consulta com uma ginecologista especializada.

Preencha o formulário e agende sua consulta

loading...

INFORMAÇÕES DO AUTOR:

Dra. Patrícia Varella Especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida

Médica formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), também fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia na mesma instituição.
CRM-SP nº 93928