Ginecologista obstetra: qual o momento certo de agendar uma consulta

À primeira vista, é muito comum surgirem dúvidas acerca de qual profissional é o mais adequado para a saúde da mulher. Segundo dados de pesquisas recentes, a média de idade que as mulheres brasileiras buscam um profissional de ginecologia ocorre, em média, aos 20 anos de idade. Em suma, isto pode ser extremamente prejudicial para a saúde.

Além disso, outros dados extremamente alarmantes, revelam que 4 milhões de mulheres nunca foram a um ginecologista. Ou seja, essas mulheres correm risco de ter algum problema ginecológico por desconhecimento ou falta de prevenção.

Por fim, temos duas especialidades: ginecologia e ginecologia obstetrícia. O primeiro, trata da saúde feminina como um todo; o segundo cuida quando a mulher está grávida ou pretende ter um filho.

Ginecologia Obstetrícia

Antes de mais nada, precisamos saber que a ginecologia obstetrícia é uma área da ginecologia responsável pelo estudo da reprodução nas mulheres, incluindo tanto seu funcionamento, quanto seus possíveis distúrbios.

Dessa forma, o profissional responsável está preparado para acompanhar todos os aspectos de  uma gestação e do desenvolvimento do feto. Suas funções começam no planejamento da gravidez, seguem por todo o curso da gestação, parto e por fim, o pós-parto (puerpério). Podemos assim, entender também o que o ginecologista obstetra desempenha em cada fase.

Planejamento da gravidez

Avaliação geral da saúde da mulher. Além de acompanhamento das funções reprodutivas, orienta em relação a exames antes da concepção.

Pré-natal (durante a gravidez)

Em suma, é nesta fase que ocorrem o cálculo da idade gestacional e data do parto, além de avaliar a saúde por meio de exames de sangue e ultrassom.

Parto

Orientação acerca de qual tipo de parto será melhor, cesárea ou normal. Coordenação de todos os procedimentos necessários para que o parto seja seguro e o mais tranquilo possível.

Pós-parto

Acompanhamento da recuperação física e emocional. Nesta fase, podem surgir problemas emocionais, como a depressão pós-parto.

Em suma, esta especialidade médica está entre as mais completas. Ela consegue atuar em todos os níveis de atendimento: ambulatorial, passando pelo hospital, clínico, cirúrgico até o laboratório. Além disso, é e deve ser presença constante na vida de todas as mulheres.

Mas afinal, qual a hora certa de consultar um ginecologista obstetra?

Quando procurar um ginecologista obstetra?

Primordialmente, a consulta a um profissional de obstetrícia deve acontecer assim que a mulher planejar, souber ou suspeitar que está grávida. Portanto, é importante que ela siga todas recomendações médicas em relação à alimentação, mudanças no corpo e outros fatores relacionados a uma gestação saudável.

Dessa forma, se você planeja engravidar, é de extrema importância tirar todas as suas dúvidas, pedir os exames necessários, receber as indicações de vacinação e até se há necessidade de ingerir suplementos, vitaminas ou ácido fólico.

Em algumas situações, é recomendado a busca e atendimento imediato, das quais podemos citar:

  • Sangramento : costumam ocorrer quando há ameaça de aborto. Só o médico pode avaliar se a vida do feto está em risco.
  • Inchaço: Apesar de ser um fato comum na gravidez, pode ser indícios de outros problemas, como  a pré-eclâmpsia, doença grave que ocorre no final da gestação. Causa pressão alta, perda de proteínas, inchaço e perda do feto.
  • Febre e dor: à primeira vista, podem significar infecção.
  • Vômitos: apesar de comuns, se forem constantes, precisam de internação.
  • Dores pélvicas: em suma, dores muito fortes, podem indicar trabalho de parto. Elas são comuns devido ao peso da barriga e das contrações dentro do útero.
  • Perda de líquido vaginal: pode indicar rompimento da bolsa. Neste caso, é urgência.

Recomendações gerais dadas por um ginecologista obstetra

Antes de tudo, as recomendações gerais incluem uma alimentação saudável, prática de exercícios físicos e cuidado especial com a saúde mental. Em outras palavras, boas práticas trazem bons resultados. Você sabia que a saúde mental pode impactar muito no planejamento de um filho? Portanto, às vezes é interessante um acompanhamento de um psicólogo!

Em gravidez de baixo risco, os cuidados e exames são bem mais simples e rotineiros.

Contudo, em gravidez de alto risco, além do acompanhamento psicológico, deve-se prestar muita atenção na questão da variação hormonal que a mulher sofre. Os exames devem ser mais frequentes e todo cuidado e alteração deve ser levada em consideração.

Em relação ao parto, deve-se obedecer sempre a recomendação do obstetra. Ele saberá qual o mais indicado. Ou seja, nem sempre o parto normal é possível. Às vezes, para a segurança da mãe e do bebê, a obstetra pode optar pelo parto cirúrgico!

Nesse sentido, chegamos ao pós parto. Ele começa assim que o parto se encerra e só termina quando os órgãos genitais da mulher voltarem às condições anteriores à gestação. Portanto, este período pode durar entre 45 e 60 dias.

Por fim, recomenda-se que a mulher e o bebê devem retornar ao médico até o 15° dia após o parto. É nesse primeiro momento que a saúde do bebê e seu desenvolvimento serão avaliados. Assim como a amamentação será examinada e também a cicatrização do parto.

Você tem mais alguma dúvida sobre quando procurar um ginecologista obstetra? Entre em contato com a gente!

Artigo escrito pela Dra. Patrícia Varella 

Ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana assistida

INFORMAÇÕES DO AUTOR:

Dra. Patrícia Varella Especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Reprodução Humana Assistida

Médica formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), também fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia na mesma instituição.
CRM-SP nº 93928